A vez da pluralidade no ambiente de trabalho

A vez da pluralidade no ambiente de trabalho

Os temas diversidade e inclusão vêm ganhando cada vez mais espaço e transformando o mundo corporativo

Nunca se falou tanto sobre diversidade, mas o seu conceito ainda gera muitas dúvidas e pode provocar muita confusão. Diversidade nas empresas não é apenas inclusão de pessoas com deficiência (PCD). Vai muito mais além.
“Temos a diversidade óbvia: raça, idade, PCD. Porém, a diversidade está em tudo, em todos os contextos, como escola, trabalho, casa, porque ninguém é igual a ninguém”, ressalta Rafael Bonfim, palestrante e articulador de projetos e programas de diversidade e inclusão.
Na Unimed Londrina, a valorização das diferenças vem sendo trabalhada por meio de duas iniciativas: Projeto Unir e Empoderamento Feminino.
“Prezamos pelo respeito às diferenças, compreendendo e garantindo os direitos de todos. Lutando contra qualquer preconceito seja de cor, pela orientação sexual ou deficiência, física e intelectual”, explica Aliny Marendaz, analista de Sustentabilidade Jr. da cooperativa.
A Singular tem um quadro de funcionários composto por mais de 70% de mulheres e a maioria dos cargos de gerência são ocupados por elas. Mesmo assim, a Instituição ainda investe em um programa “Empoderamento Feminino” para minimizar qualquer diferença e promover ações para fortalecer a mulher que atua na Unimed por meio de empoderamento, consultoria de imagem, palestra sobre saúde, entre outras ações.
Um grande passo dado pela cooperativa foi a assinatura da Declaração de Apoio e Formulário de Adesão aos WEPs (Princípios do Empoderamento Feminino), em 2018. O documento da ONU visa empoderar as mulheres e promover a equidade de gênero em todas as instâncias do negócio.
Há quase dois anos na Unimed Londrina, Thalia França da Silva, é uma das mulheres empoderadas pelo Programa. Aos 22 anos, a assistente de Qualidade Processos revela que se sente muito mais confiante e valorizada depois de participar das atividades.
“Na Unimed, há várias gerentes mulheres, cenário que a gente quase não vê no mercado. Isso contribui porque mostra como é possível se desenvolver no trabalho, que é possível crescer na carreira. Antes, eu não tinha a ideia de empoderamento. Nos outros trabalhos, não tinha nada desse tipo. Com certeza, essa visão muda o comportamento, porque se tem uma nova perspectiva”, ressalta.
Outra importante iniciativa dentro da cooperativa é o Projeto Unir, criado em 2016. A Unimed firmou convênio com instituições de Londrina, como Ilece e APAE e, atualmente, conta com 24 PCDs que estão diretamente envolvidos com as atividades da empresa.
O projeto também criou oportunidade para deficientes auditivos atuarem em atividades administrativas já existentes. Para o sucesso da iniciativa, a Singular realizou um curso de libras para a equipe que os receberia. “Dessa forma, os dois colaboradores atuantes se sentem acolhidos e aptos a desempenharem seu trabalho”, destaca Aliny.

Aprendizado
Em Cascavel, a Unimed decidiu sair dos muros da Instituição e escolheu a diversidade como tema do 5º Concurso de Redação e do 1º Concurso de Desenho promovido pela própria Singular. Crianças e adolescentes de 8 a 17 anos foram incentivados a escrever ou desenhar maneiras de construir relações baseadas nas diferenças sociais, linguísticas, culturais e étnico-raciais.
Foram selecionadas nove escolas municipais e duas estaduais para participar do Concurso, 484 alunos tiveram a oportunidade de apresentar suas criações. Os 15 melhores foram selecionados para a fase final e os três melhores trabalhos de cada categoria foram premiados.
Segundo Tatiane de Oliveira Trespach, coordenadora de Sustentabilidade da Unimed Cascavel, os participantes apresentaram formas de inclusão dentro da escola, durante as brincadeiras, ao redor do mundo, trazendo a relação de afeto, amor, amizade e também de tristeza e sofrimento.
“Como resultado, podemos destacar a proximidade da cooperativa com a comunidade escolar, promovendo a transformação social por meio de debates de assuntos de grande complexidade. Sendo uma oportunidade de escutar e identificar a visão, necessidades e o que eles esperam da sociedade”, enfatiza.
A Singular possui uma Política de Diversidade e Inclusão estruturada e tem por princípio alinhar a estratégia da cooperativa e promover o desenvolvimento de pessoas com base nas competências e os valores organizacionais sem distinção, promovendo a igualdade e praticando a inclusão. Para isso, as iniciativas vão desde a acessibilidade do prédio, vagas especiais no estacionamento, sanitários adaptados, até a oferta do curso de Libras para os colaboradores.
A diversidade é trabalhada na Unimed Curitiba por meio da valorização dos jovens, oferecendo a eles a oportunidade do primeiro emprego e a convivência com profissionais experientes. O Programa de Desenvolvimento de Jovens Aprendizes faz parte do Vida Diversidade, que tem como objetivo promover a cultura inclusiva, ampliando a capacidade de compreender, valorizar e incluir o diverso para que possamos conviver com um número cada vez maior de ideias, valores, identidades, orientações e origens.
Letícia Dib Baby, analista de Desenvolvimento Humano da Unimed Curitiba, conta que o Programa surgiu devido à necessidade em trabalhar temas relevantes para a 1ª experiência profissional alinhados à realidade de vida dos jovens.
“Nosso objetivo é prepará-los para o mercado de trabalho e desenvolvê-los no exercício da cidadania, promovendo a formação de seres humanos mais responsáveis e comprometidos com a sociedade”, explica.
As ações são formatadas em palestras, acompanhamento escolar, saídas culturais, visitas a feiras profissionais, etc. Em dois anos, os resultados foram: redução no turnover, casos de gravidez e dependência química, melhora no desempenho escolar e aumento do número de efetivações no término do contrato de aprendizagem.
Outro destaque e motivo de orgulho para a Unimed Curitiba são as mulheres, que representam 76% do quadro de colaboradores. Já com relação aos cargos de liderança, 56% são ocupados por mulheres. O resultado do investimento pode ser observado no índice da Revista Você S/A, o qual obteve, na visão dos colaboradores, a nota 95,2 no item sustentabilidade e diversidade.
“Em 2020, vamos ampliar nosso leque. O Viva Diversidade será estruturado para garantir a igualdade de gênero, o multiculturalismo e a variedade de perfis, idades, habilidades e experiências”, completa Letícia. Rafael Bonfim acredita que o futuro é muito positivo porque o mundo corporativo está percebendo como é importante investir em diversidade. “Algumas empresas aderem somente por ser politicamente correto, mas tudo bem isso já é um pontapé inicial. Logo, elas vão perceber os benefícios, como isso é um diferencial e que pode ser uma ferramenta para aumentar a produtividade”, garante.
Para ele, abrir mão da zona de conforto e se relacionar com pessoas diferentes, com quem o contato quase não existe, pode gerar resultados extremamente positivos e contribuir para que todos os espaços sejam saudáveis, inclusive no ambiente de trabalho.

Rafael Bonfim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *